quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

ELEGANTES OU INTERESSANTES?

A jornalista Danuza Leão discorre em seu mais recente livro Fazendo as malas sobre suas viagens por quatro países da Europa: Espanha, França, Itália e Portugal, mas mais do que um livro sobre viagens e os lugares incríveis que ela frequentou, Fazendo as malas é também uma série de opiniões pessoais e até mesmo ácidas da própria autora a respeito de comportamento, moda e elegância. Danuza parece achar-se "expert" no assunto, eu não sei se é, porque sinceramente sei muito pouco a respeito desta senhora. Sei apenas que é uma mulher que se casou com um homem rico, é jornalista, irmã da cantora já falecida Nara Leão, tem 4 livros lançados contando com esse do qual falo e tem uma coluna na revista Claudia da qual gosto muito, afora isso ñ sei qual a sua relevância no meio artístico e cultural brasileiro, embora seus lançamentos sejam sempre bastante alardeados.
Enfim, Danuza é tachada de mulher inteligente, culta e de muito bom gosto, o que talvez a torne uma mulher elegante e extremamente interessante. Digo talvez justamente porque num dos trechos do livro, Danuza Leão diz o seguinte sobre pessoas elegantes: "Elas se vestem sempre de maneira bastante discreta, e é raro usarem cores fortes".
Fiquei bastante intrigado com esta afirmação, pois sou um defensor feroz das cores fortes e ao mesmo tempo tento manter sempre uma postura elegante com relação ao vestuário e a vida. Admiro muitíssimo pessoas que levam a vida com elegância, aquelas que até mesmo o simples e essencial ato de respirar transmite uma sutil delicadeza. Mas nunca associei o fato de pessoas vestirem-se de amarelo, vermelho, azul, verde, roxo ou laranja ser algo de mau gosto ou deselegante, muito pelo contrário, elegância é algo mais exteriorizado, que vem de dentro pra fora, ou se é ou não é. Sendo assim, se alguém verdadeiramente elegante pendurar uma melancia no pescoço e sair por aí, vai transformar aquilo em algo belíssimo de se ver.
Discrição é realmente uma coisa muito importante, mas se você já fala baixo, ri com o canto da boca, dá gargagalhadas sem emitir nenhum ruído, caminha como se estivesse pisando em ovos, tem movimentos leves e delicados pra quê ainda vestir-se somente em tons pastéis, preto, marrom, cinza, bege, branco...
O importante mesmo é, mais do que ser elegante ser interessante. Pessoas elegantes enchem os olhos, mas pessoas interessantes enchem a mente e alma da gente.
Os interessantes gostam de cores, de todas as cores. Misturam branco com azul, preto com rosa, cinza com verde, amarelo com marrom e viajam, lêêm, escrevem, experimentam bebidas, comidas diferentes, cortam o cabelo conforme dá na "telha", gargalham alto, movimentam-se agitadamente, abraçam forte, correm, se jogam de cabeça e tem muita história pra contar.
Elegância é um bálsamo, transmite uma sensação agradável, suave e tem grande valor, mas elegância demais pode transformar-se em chatice e marasmo, por isso Dona Danuza Leão que me perdoe, mas ainda prefiro os interessantes e todas as cores do mundo.

3 comentários:

eroticromanticvaniamara disse...

Esdras, menino sabe que eu adoro ler o que escreve não é?? Achei bem interessante esta sua visão antagônica sobre as duas coisas.
E se me permitir um aparte, eu quero expor que eu acredito na simplicidade
como evidência de elegância e concordo que é assim como é com o charme, ou a pessoa já tem naturalmente ou vai morrer sem.

Bruna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bruna disse...

Concordo com a pessoa acima!
e nós temos o dom da elegância certamente! hahahaha