sábado, 9 de janeiro de 2010

DA SÉRIE: OS FILMES DA MINHA VIDA - DOGVILLE (3)


É difícil falar sobre esse sensacional filme, que foge completamente do lugar comum. Vou tentar ser o mais simples possível, embora Dogville seja tudo, menos simples.
Todas as críticas que li e ouvi até hoje sobre ele, são cheias de filosofias, reflexões profundas e aquele ar de intelectualidade e difícil entendimento permeando todo e qualquer debate sobre a história de Lars Von Trier.
Mesmo sendo digno de todas estas manifestações, pois o filme é realmente diferente de tudo que se já viu, aqui vou contar como essa história fantástica chegou até mim, de que forma me tocou a ponto de se tornar um dos fimes da minha vida.
Naquela noite de 18 de janeiro de 2004 tudo o que eu esperava ver na grande tela era a linda Nicole Kidman num bom filme, mas o que assisti na maravilhosa sala do Unibanco Arteplex em Porto Alegre, foi muito mais do que um bom filme com uma bela atriz, foi uma obra de arte, ousada, surpreendente e fascinante. A começar pelo cenário inexistente, apenas demarcado pelo chão com giz, passando pela narração sombria que te prende do começo ao fim como uma hipnose e atingindo seu clímax com um deleitoso final de uma história estarrecedora, Dogville não é um filme fácil de se digerir.
Por 3 horas se é bombardeado com amostras de até onde a crueldade humana é capaz de chegar, e nem se sente o tempo passar. Nicole na pele de Grace é a forasteira que chega a aparentemente pacífica e encantadora cidade de Dogville, fugida não se sabe de que e em pouco tempo torna-se escrava da cidade inteira, as formas de escravidão e maus tratos são as mais diversas possíveis. Mas por que os moradores de Dogville a princípio dóceis, tornam-se algozes tão cruéis e implacáveis com a inofensiva Grace? Afinal qual o segredo de Grace? De quem ela foge? Será que não é tão inofensiva assim? Como conseguirá se livrar de Dogville e seus constantes maus tratos?
O magnífico final de Dogville nos dá todas as respostas. O gênio Lars Von Trier dirige seu melhor filme até aqui. Nicole Kidman brinda-nos com uma interpretação soberba e Dogville entra honrosamente pro rol dos meus filmes inesquecíveis.

7 comentários:

Silvio disse...

Nossa, achei muito bacana sua resenha sobre o filme. Eu na verdade nunca assisti, mas valeu pela dica. Gostei bastante!

Abraços.

J P F O X disse...

Nunca ouvi falar deste filme, mas me pareceu interessante. Só de ser com a Nicole já anima qualquer um.
Até mais,

De VOLta ao MEU eU...QuerER sempre MAis disse...

Esdras...você me deu uma nova perspectiva sobre esse filme....que te sendo muitissimo sincera não consegui terminar de assistir.
Mas depois de ler a tua recepção e descrição sobre ele resolvi dar-lhe mais uma chance. Vou loca-lo e assisti-lo do início ao fim,prometo. Assim pelo menos terei uma opinião mais justa!

Dogville....me aguarde!
Enorme :))

CLAUDIA MAGNÓLIA disse...

Nossa, vc escreveu de um jeito que minha vontade é assistir agora esse filme. Nicole é espetacular e adoro filmes com finais surpreendentes.

Beijos!

kbritovb disse...

nunca vi mas geralmente os filmes dela são bons.

ae cara postei a 4ª parte de amor x amizade, se der passa lá no meu blog e lê. vlw

Vinicius Colares disse...

Dogville é soberbo, a obra-prima absoluta de Lars Von Trier, a maneira que ele encontrou pra mostrar como em cidades pequenas todo mundo sabe da vida de todo mundo, retirando as paredes da casa é genial, e o filme apesar de longo não é nehum pouco cansativo, pelo menos pra mim, já assisitiu o Aniticristo? fiz uma critica no meu blog que é sobre cinema, passa lá pra dar uma olhada!

ALIMAC disse...

Esse filme é sensacional, realmente genial. Desde a própria atuação, a iluminação e até a história.
Muito digno de Lars.

www.teoria-do-playmobil.blogspot.com