quinta-feira, 10 de junho de 2010

DE MÁRIO QUINTANA PRA MIM


Relendo antigos poemas esquecidos na estante, um achado. Como se alguém que te conhece melhor do que você mesmo tivesse escrito especialmente pra você. O poema de Mário Quintana chamado BOLA DE CRISTAL



A praça, o coreto, o quiosque,

as primeiras leituras, os primeiros

versos

e aquelas paixões sem fim...

Todo um mundo submerso,

com suas vozes, seus passos, seus silêncios

- ai que saudade mim!

Deixo-te, pobre menino, aí sozinho...

Que bom que nunca me viste

como te estou vendo agora

- e é melhor que seja assim...

Deixo-te

com os teus sonhos de outrora, os teus livros queridos

e aquelas paixões sem fim!

e a praça... o coreto... o quiosque

onde compravas revistas

Sonha, menino triste...

Sonha...

- só o teu sonho é que existe.

2 comentários:

De VOLta ao MEU eU...QuerER sempre MAis disse...

Primeiras leituras...
São estas que nós abrem portas...
Portas essas que permanecem abertas ou fechadas,depende de nós.
AI QUE SAUDADE DE MIM!!
Nosso crescimento,nosso arremesso ao mundo...nunca mais...apenas quando encontramos brechas(como portas abertas da mente)podemos deslunbrar um pouquinho...os sonhos que ficaram pra trás!

Esdras
abraço enorme pra ti

Fábio Flora disse...

Só o sonho de cada um é o que existe. Bonito demais isso. Abraços e sucesso com o blog!