quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

DA SÉRIE: OS FILMES DA MINHA VIDA - TRÊS FORMAS DE AMAR (4)



A descoberta da sexualidade é sempre uma fase bastante marcante na vida de qualquer um, e quando essa descoberta vem acompanhada de uma história que explora muito mais do que o convencional papai-mamãe/homem-mulher, de maneira sensível, divertida e leve, expondo de forma verdadeira e franca o ser-humano e todas as suas possibilidades de amor, tudo se torna mais fácil ou menos conflitante.


O filme TRÊS FORMAS DE AMAR faz parte da minha vida exatamente por isso. Lançado em 1994, ele conta a insólita história de Alex, Stuart e Eddy. Alex é uma garota, que justamente por causa de seu nome unissex acaba vítima de um erro burocrático, tendo que dividir com os rapazes Stuart e Eddy o mesmo módulo em um alojamento universitário. A princípio Alex fica furiosa com o engano e tenta consertá-lo o mais rápido possível, mas não obtém sucesso. No decorrer da história as personalidades de cada um dos três vai se delineando e com a convivência cria-se um forte vínculo entre eles.


Alex é a garota descolada e moderna que segue todos os seus instintos e só faz o que tem vontade, Stuart é o cara que só pensa em sexo e se acha o macho mais gostoso e irresistível de todos e Eddy é o rapaz tímido e sensível, confuso em sua sexualidade, até conhecer seus novos colegas. Apesar da bonita amizade que surge entre eles, paira sempre no ar um clima de desejo erótico, entre toques, piadinhas e brincadeiras o triângulo se define da seguinte forma: Stuart desde o primeiro momento deseja Alex, que por sua vez se encanta pelo jeito doce e sensível de Eddy, que não demora a perceber-se completamente envolvido por Stuart.


Estabelece-se entre os três uma espécie de jogo para ver quem consegue levar quem pra cama primeiro. Depois de muitas tentativas, conflitos e discussões o triângulo culmina num belíssimo e excitante ménage à trois. Mas como tudo na vida tem consequências, eles têm de arcar com as suas após renderem-se as três formas de amar.


Tinha 14 anos quando vi esse filme em 1995 e marcou demais pela identificação com o personagem Eddy, vivido por Josh Charles. Pela primeira vez num filme um personagem vivia conflitos parecidos com os meus, mas não só por isso, o filme mostra cenas lindas como a do rio, em que eles tomam banho nus e trocam o primeiro beijo triplo. Os atores estavam no auge de seu frescor e vigor juvenil, e se entregaram de corpo e alma aos personagens, passando muita verdade. Esse é um detalhe interessante, o elenco: Lara Flynn Boyle (Alex), Stephen Baldwin (Stuart) e Josh Charles (Eddy) desapareceram de Hollywood. Sabe-se pouco sobre eles, com excessão de Stephen, que faz parte da famosa família Baldwin e atualmente é pastor de uma igreja. Provavelmente desistiu da carreira e está ganhando muito mais grana angariando fiéis pra sua igreja. Lara foi casada com Jack Nicholson e participou ultimamente de algums séries de televisão como ALLY McBEAL e Josh também participa esporádicamente de algumas séries televisivas sem grandes destaques. O que me leva a crer que TRÊS FORMAS DE AMAR também pode ter sido o filme da vida deles.




o beijo no rio

3 comentários:

Pobre esponja disse...

Gostei desse filme. Mas me identificaria mais se fosse um Homem (de preferência eu) e duas mulheres. Machismo Detected.

abç
Pobre Esponja

Betty Gaeta disse...

Estou precisando assistir a este filme! Agora vc me convenceu.

Guilherme Lombardi disse...

preciso ver esse flme