sábado, 28 de janeiro de 2012

BODAS DE CERA


Hoje o "Borboletas na Janela" completa 4 anos de existência. Naquele verão de 2008 muitas coisas passavam pela minha cabeça, mas nenhuma delas era morar em São Paulo, onde moro hoje. Meus pais tinham um casamento sólido, mais de 30 anos de vida em comum, hoje estão separados a mais de 3 anos.

A trilha sonora da minha vida naqueles dias era o segundo álbum solo de Paula Toller, "Só Nós", o cd não saía do meu aparelho de som. "O que é que eu sou?", "Meu amor se mudou pra lua", "Você me ganhou de presente", "Tudo se perdeu", "Barcelona 16" e "Glass" na voz suave e sofisticada de Paula me transportava pra um mundo distante daquele que estava ao meu redor e me deixava mais conectado com o mundo glamouroso e fascinante que sempre esteve dentro de mim.

Borboletas saíam de seu casulo lentamente, sem saber muito bem que direção tomar. Queriam alçar grandes voos, colorir a vida das pessoas, pousar em lugares especiais, ver e viver a beleza da vida. E foi assim, descrevendo angústias, contando devaneios, inventando histórias, misturando ficção e realidade que libertei as borboletas de dentro de mim pra espalhar minha emoção a quem quisesse delirar junto comigo.

Em quatro anos, este blog me transformou num escritor convicto. Você é aquilo que você ama ser e fazer, mesmo que não seja reconhecido, mesmo que não seja remunerado, mesmo que não seja graduado. Entendi isso definitivamente com minhas borboletas na janela, que pousaram pra falar de amor em "Tudo o que você não disse", "Um amor puro", "A bailarina envidraçada e o malabarista prateado" e "Liberdade para as borboletas". De cinema em "Direito de sofrer", "Dica de filme", "3 filmes", "Não é uma história de amor?" , " Da série: Os filmes da minha vida" e "Esquecer". De comportamento em "Elegantes ou interessantes", "Charme e beleza", "Perguntinha detestável" e "A gordura de Luciano". De solidão em "Bolhas de sabão", "Todos nós a esmo", "A solidão, esse castigo" e "Cheesekake de frutas vermelhas". De amizade em " Coca-cola com limão e gelo", " Aos meus amigos", "Mais um ano que se vai" e "Carta para Daniel". De poesia em "Beije-me", "Imaginação", "Domingo no parque" e "Do amor platônico". De música em "3 músicas", "Coletânea particular" e "Do luxo ao lixo musical". De literatura em "Dois livros e um filme", "De Maysa a Oscar Wilde" e "Últimas leituras". De sensações em "Monstro", "Um pequeno segredo", "A festa perfeita" e "Perfumes de mim".

Nesses quatro anos o blog "Borboletas na Janela" me fez rir e chorar, me deu orgulho, porque foi concebido e criado com todo o afeto do mundo. Cada pensamento, cada palavra, cada vírgula, organizada e escrita com maior cuidado, pra que fosse bonita e admirada por todos que queiram apreciá-la, como se faz com um filho muito amado.

Aqui derramo todo meu sentimento, porque sou do tempo da palavra. Aprendi a fazer com que as palavras deslizassem sobre o meu corpo lentamente, como pétalas caindo no outono.

Parabéns "Borboletas na Janela" pelas bodas de cera. Parabéns a mim também, porque quando você nasceu eu renasci.

Um comentário:

Valente disse...

Oi, Esdras, tudo bem? Caí aqui por acaso, num Google sobre Paula Toller. Achei interessante o blog, deixei o link em separado pra ler com mais calma depois. Abraços.